COMO APRENDER ESPIRITISMO ?

Allan Kardec declara que o Espiritismo é a ciência do infinito e como toda ciência não se aprende por ouvir falar ou apenas lendo romances. Aquele que desejar penetrar seus princípios básicos e mesmo aprofundar conceitos deverá dedicar-se com frequência e método. Não é um trabalho que termina em alguns meses ou mesmo anos, pois, é fruto também do aperfeicoamento intelecto-moral daquele que se dedica a estudá-lo.

Aristóteles, filósofo grego, ensina que todo aquele que deseja dominar um conhecimento, seja religioso, filosófico ou científico, deverá começar pelos seus princípios. Onde se encontram os princípios do Espiritismo? Indiscutivelmente, na codificacão kardeciana, nunca nos cansaremos de lembrar esta obviedade. E por que assim o fazemos? Simplesmente porque é o que menos se faz, acreditando que a simples frequência ao grupo espírita ou a frequência a palestras doutrinárias seja o suficiente para nós tornar espíritas esclarecidos.

Parece contraditório, mas os espíritas dão muito mais atenção aos romances e, frequentemente, se esquecem dos livros básicos da codificacão. É como um médico que gostaria de aprender cirurgia sem estudar os princípios basicos de assepsia e sem saber os tipos de pontos adequados para cada sutura. Aprender só de olhar ou de ouvir. Não aprovamos tal procedimento para aquele que deseja se tornar um cirurgião competente, mas esquecemos de aplicar a nós mesmos este princípio ao querer entender o Espiritismo.

Ao afirmar que a base do Espiritismo se encontra na codificacão, não estamos afirmando que não se devam ler romances ou mesmo estudá-los. Queremos apenas ressaltar que o grau de certeza e verdade alcançado pela codificacão é incomparavelmente superior às demais obras espíritas. E por que afirmamos isso? O fazemos baseados na convicção de que foram os espíritos superiores que revelaram a codificão, não é obra pessoal de Allan Kardec, embora, tenha a sua inestimável contribuição. É uma obra de dupla autoria: de origem humana e de origem espiritual.

Some-se a isso o fato de a codificacso espírita contar com a participação de mediuns de cerca de quinze países e naquilo que possuíam de comum. A verdade nunca é apenas pessoal, as verdades espirituais nunca são patrimonio exclusivo de um médium ou grupo de médiuns ou de grupos privilegiados.

O aprendizado espírita exige não uma leitura descompromissada, leitura apenas por hábito. É indispensável parar em cada parágrafo a fim de analisar seus conceitos e consequências práticas e teóricas. É trabalho demorado, semelhante à restauração de uma antiga obra de arte. Devemos fazê-lo com disciplina, sem pressa, mas também sem demora. É indispensável recorrer à dicionários, a fontes externas e solicitar a orientação de pessoas mais experientes.

Um livro é como um amigo ou uma esposa. É preciso escolher bem, não importa se poucos ou muitos amigos, mas amigos verdadeiros. Devemos dar preferência aos clássicos do Espiritismo antes de nos aventurarmos em mares nunca antes navegados. Se não temos os fundamentos, como saber o que é certo e o que é errado? O que é fato e o que é especulação? O que é confiável e o que não passa de mistificação de espíritos zombeteiros ou francamente malévolos?

As casas espíritas tem se empenhado em formar grupos de estudos da codificacão espírita a fim de fornecer ao movimento espírita um número expressivo de pessoas esclarecidas. Serão os multiplicadores da racionalidade espírita, não os censores de opiniões alheias. Fornecerão a base para que o movimento espírita não se perca nos modismos e mistificações que podem corromper ou atrapalhar a semeadura das verdades imortais da terceira revelação, O Consolador prometido por Jesus.

joão Senna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *