João Senna

1- Quem é João Senna?

João Senna é uma pessoa com grande interesse sobre temas espiritualistas e, sobretudo, espíritas. Sou médico cardiologista e cardiogeriatra, nasci na cidade de Araçatuba, estado de São Paulo e, por isso, tenho um sotaque caipira. Espírita desde os treze anos através da leitura do livro Sessões Espíritas na Casa Branca.

Todos os seres humanos são essencialmente semelhantes, com suas virtudes e vícios e creio que isso possa dar uma visão melhor do que sou.

2- Você é médium?

Sim, minha primeira reunião mediúnica foi aos treze anos, onde realizei minha primeira psicografia. Ouço os espíritos, exerço a psicofonia duas vezes por semana e também apresento a mediunidade intuitiva. Durante os sonhos quase sempre trabalho como médico nos hospitais da espiritualidade. Também já visitei bibliotecas e mundos superiores à Terra.

2- Qual a sua participação no movimento espirita?

A minha participação é muito pequena. Faço algumas palestras em grupos espíritas durante o ano. Minha contribuição é mais como voluntário. Sou médico voluntário há quatorze anos na Mansão do Caminho em Salvador, obra fundada por Divaldo Franco, atendo semanalmente. Atento também há doze anos  na Associação Casa de Caridade Adolfo Bezerra De Menezes em Salvador ( ACCABEM) e no Centro Fraterno Luz e Caridade há um ano. Realizo trabalho voluntário desde os vinte sete anos o que tem contribuído para meu equilíbrio espiritual e, seguramente de todos os que se dedicam a tais atividades.

3-Qual a finalidade do blog Mais Luz?

O blog destina-se a espiritualistas e, sobretudo, espíritas. Sua finalidade é a troca de idéias, aperfeiçoamento de nossas concepções e exposição de textos espiritualistas que enriqueçam a existência. Está fundamentado na codificação kardeciana, ou pelo menos, no que pudemos entender. Acredito que compartilhar o que nos faz bem é não somente uma obrigação moral, mas também uma alegria. Todas os textos tem uma fundamentação racional, nunca faz apelos emocionais e nunca se pede para que haja mudança de opiniões. Cada pessoa é um mundo em si mesmo e não serei eu a querer mudar esta realidade. Destina-se a contribuir para que as pessoas se tornem melhor, mas nunca impor regras ou condições. Não é objetivo do blog apenas trazer cultura ou verdades originais, mas contribuir na construção do homem e da mulher de bem,  que é o objetivo do Espiritismo.

4- Qual a sua expectativa ?

Creio que como todo pai ou mãe, sempre queremos o melhor para nossos filhos, no caso o nosso filho é o blog. O blog não pode agradar a todos e nem deve, mas não precisa desagradar a ninguém. Acredito que ateus, religiosos em geral, pessoas contrárias ao Espiritismo e ao espiritualismo poderão encontrar nos textos uma orientação sobre o que é o Espiritismo e assim mudarem de opinião ou permanecerem com suas convicções. Apesar disso o blog destina-se principalmente aos espíritas e aos descrentes. Os demais religiosos poderão ficar tranquilos em suas convicções, pois, não pretendemos abalar a fé de ninguém ou lançar o anátema contra os que não pensam como nós. Mantemos as nossas convicções como as demais pessoas tem o direito de manter as próprias convicções.

5- Em que se diferencia este blog?

Não creio que o blog tenha que se diferenciar dos demais. Nosso objetivo é somar conhecimento, experiência e esperanças dentro do movimento espírita. O blog apresenta algumas características como textos de natureza religiosa, filosófica e científica. Esta divisão é necessária para atender às expectativas dos leitores que, evidentemente são diversas. Alguns gostam de temas filosóficos, outros de temas religiosos e existem outros que dão preferência a aspectos científicos.

Temos o cuidado de não expor opiniões pessoais e sim o que entendemos da codificação espírita. Certamente que nossos preconceitos poderão interferir no entendimento, mas procuramos evitar ao máximo tal aspecto. Não será um local para desabafar, traçar diretrizes ao movimento espirita ou para falar de novos rumos do espiritismo. Não temos tal  pretensão e, mesmo se as tivéssemos, não nos julgamos competentes para proposta tão ambiciosa. Tampouco serão discutidos o que tal médium falou ou escreveu. Poderemos discutir idéias e comportamentos sobre a luz do Espiritismo, nunca cuidaremos da vida de outra pessoa ou de uma instituição. Sabemos que existem barbaridades sendo escritas e faladas porque existem pessoas e instituições dispostas à segui-las, mas o blog não irá dizer o que uma pessoa específica ou grupo espirita deveria fazer. Enfim, não somos consultório sentimental, embora, tenhamos sentimentos.

6- Onde você encontra idéias para seus textos?

Eu as encontro no Espiritismo. Tenho oitocentos livros espíritas e eles me ajudam muito. Toda semana assisto uma palestra espírita e delas retiro idéias e comparo tais idéias com a codificação espirita. Muitas vezes existem discordâncias imensas, mas isto é natural e esperado porque o espiritismo defende o livre exame dos textos. Cada um vê o mundo com os olhos que tem. Os textos nascem da interação com o meio espirita, nascem das dúvidas de pessoas reais de um mundo real. Não são meras especulações distantes da realidade. William Lane, Alvin Plantinga, Herculano Pires, Tomás de Aquino, obras psicografadas por Chico Xavier. Divaldo Franco e Ivone Pereira são outras fontes. Também recebo orientação por via mediúnica que muito auxiliam.

7- Qual a sua opinião sobre o movimento espirita?

Em linhas gerais o movimento espirita tem apresentado bons resultados.  Conseguimos nos manter fiéis à codificação kardeciana. É verdade que nem todos apresentam um bom entendimento do que ela prescreve e representa, mas é inevitável que espíritos encarnados de diferentes níveis de evolução percebam as mesmas afirmações de maneira diversa. Tais dificuldades, entretanto, serão resolvidas com o nosso amadurecimento intelectual e moral. Confiemos nos bons espíritos que nos dirigem.

8- Qual a maior dificuldade no entendimento da codificação espírita?

É difícil dizer qual a maior dificuldade, pois, cada pessoa possui sua dificuldade. Creio, porém, que uma grande dificuldade é a nossa vaidade e o nosso orgulho porque dificultam a compreensão das resposta dos espíritos superiores. Tentamos adaptar o que lemos aos nossos caprichos. Outra dificuldade é a falta de reflexão no que foi estudado, damos uma interpretação muito rápida e superficial assim que acabamos de ler, por exemplo, uma resposta de O Livro dos Espíritos.

9- Poderia nos dizer qual o maior problema do homem?

Creio que nosso maior problema somos nós mesmos. Já aprendemos a amar a nós mesmos, mas não o nosso próximo. Não se trata de falta de amor, mas de uma distribuição desigual do amor. Damos tudo para nós, nossos filhos e familiares e sobra pouco para os outros. Aprender a amar é tarefa urgente que tem sigo negligenciada, mas as religiões em geral e o Espiritismo em particular nos ensinam como fazê-lo, mas para tanto precisamos deixar que realizem em nós o trabalho do amor ao próximo. Devemos deixar que o amor, em forma de caridade, exerça em nós o trabalho da redenção espiritual e da conquista do Reino de Deus.